Descubra os benefícios da alimentação crudívora!

Alimentação crudívora: descubra a seguir os benefícios

Verduras, frutas, legumes, castanhas e outros itens que são consumidos sem necessidade de cozimento, como sementes e grãos germinados, provavelmente já fazem parte de seu cardápio, certo? No entanto, você já pensou em se alimentar somente com esses itens? Essa é a base da alimentação crudívora.

O crudivorismo, também conhecido como alimentação viva ou raw, baseia-se no fato de que os alimentos perdem parte de seus nutrientes ao serem submetidos a temperaturas superiores a 40°C. Assim, os adeptos preferem consumir os produtos in natura ou em preparos na forma germinada. 

Quer saber mais sobre alimentação crudívora e descobrir se ela funciona para você? Então, confira mais detalhes em nosso post!

O que é crudivorismo?

Todos consumimos uma grande diversidade de alimentos crus, em forma de saladas ou puros. A maior parte das frutas, tradicionalmente, é ingerida sem a necessidade de nenhum aquecimento ou cozimento. 

No entanto, alimentar-se exclusivamente de itens crus ainda gera estranhamento, especialmente para quem desconhece os preceitos básicos da dieta. Já os adeptos relatam benefícios para a saúde e disposição, além de emagrecimento e da inegável praticidade. Afinal, de onde vem essa prática?

Confira a origem da alimentação crudívora

As bases da alimentação crudívora surgiram nos Estados Unidos, na década de 1980. A ideia era basear a dieta em itens crus e orgânicos. Grãos, folhas, frutas, cereais, castanhas, mel e peixes eram consumidos sem cozimento, para preservar suas propriedades nutricionais. 

Óleos prensados a frio, como o azeite de oliva, além de temperos, também fazem parte da alimentação crudívora. No caso de vegetarianos e veganos, mel e peixe não entram no cardápio, bem como ovos ou laticínios. 

Vale destacar que o crudivorismo é diferente do frugivorismo, pois esse segundo grupo consome somente frutas e folhas, sem utilizar nenhum condimento.

Quais são as vantagens da alimentação crudívora?

O cozimento altera as características nutricionais de alguns alimentos, especialmente vitaminas solúveis em água. Além disso, itens crus são ricos em enzimas, que levam nutrientes às células, e fibras, que ajudam na digestão. Sem o aquecimento, os produtos também são mais facilmente digeridos. 

Além dos inegáveis benefícios à saúde, a alimentação crudívora proporciona outras vantagens:

  • o consumo de produtos industrializados, repletos de corantes, conservantes e outras substâncias químicas é evitado;

  • o cardápio está longe de ser limitado, pois, além da grande variedade de frutas, verduras, legumes e grãos, existem diversas formas de preparo, que proporcionam sabores e texturas diferentes;

  • como o aparelho digestivo gasta menos tempo para digerir esses alimentos, o organismo ganha energia e disposição;

  • o sistema imunológico melhora;

  • alimentos in natura são menos calóricos, facilitando a redução de peso;

  • cabelos e pele passam a refletir a saúde do organismo;

  • é uma alimentação prática (dependendo da pressa, basta lavar os ingredientes e consumir), acessível (os produtos podem ser encontrados em feiras livres) e sustentável, pois sua produção não agride o meio ambiente. Aliás, é tão sustentável quanto o slow food.

Como fazer a transição para a alimentação crudívora?

Depois de conhecer os benefícios da alimentação crudívora, você deve estar se questionando como fazer a transição e deixar de lado os produtos cozidos, grelhados, assados e fritos, não é?

A mudança pode ser mais fácil do que você imagina! Para quem já pratica o veganismo, a base alimentar não terá grandes mudanças, apenas a forma de preparo. Vale a pena conversar com um profissional de nutrição que respeite suas preferências e explique como elaborar um cardápio, sem que falte nenhum nutriente.

Nem mesmo as proteínas, que veganos e vegetarianos consomem na forma de grãos, como feijão, grão-de-bico, lentilha, entre outros, faltam no crudivorismo. Todos esses grãos, inclusive arroz e trigo, podem ser germinados. Essa técnica de preparo, inclusive, preserva a quantidade dos nutrientes.

Passo a passo para a germinação

Para fazer a germinação de grãos e sementes, basta deixá-los de molho, preferencialmente em recipientes de vidro, por um período de 8 a 12 horas. A temperatura da água deve estar em torno de 25 °C e o pote precisa estar aberto, permitindo a circulação de ar. 

Alguns grãos, como sementes de girassol e de linhaça, precisam de um tempo menor para germinarem (em torno de 4 horas). Caso opte por consumir os brotos, depois da germinação os grãos devem ser plantados em terra vegetal ou sob algodão umedecido, em local com incidência de luz. Entre 3 e 15 dias, eles estarão próprios para consumo. 

Receitas vivas

Os brotos podem ser utilizados em saladas e sucos, e os grãos, batidos e transformados em molhos ou pastas. Existem inúmeras formas de preparo dos alimentos sem a necessidade de aquecimento. Confira algumas receitas e se surpreenda! 

Café da manhã e lanches

Além das opções mais óbvias, como frutas diversas, sua refeição crudívora pode contar com um suco turbinado, contendo folhas e outros vegetais, ou uma vitamina com leite vegetal.

Bater em liquidificador um leite vegetal, como o de amêndoas, que não necessita de aquecimento, com uma fruta congelada, como morango ou banana, resulta em um delicioso smoothie. 

Quer conferir uma receita diferente e descobrir que o crudivorismo oferece opções para todos os paladares? Então, veja como preparar um bolo de cenoura que não precisa ser assado:

  • bata no processador 300 gramas de cenoura crua;

  • adicione 300 gramas de amêndoas, cruas e sem sal;

  • acrescente 270 gramas de aveia integral, 1 colher de chá de canela e outra de gengibre em pó;

  • junte 18 tâmaras secas, sem caroço. O resultado será uma farinha grossa, que deverá ser colocada em uma forma forrada com papel-manteiga. Aperte até que forme uma massa densa e uniforme;

  • faça uma cobertura com castanhas de caju cruas e sem sal, deixadas de molho durante a noite, batidas com leite vegetal ou água, tâmaras secas e gotas de baunilha;

  • adicione raspas de casca de laranja e nozes sobre o bolo e sirva em seguida, ou guarde em geladeira.

Almoço e jantar

Mais uma vez, vale usar a criatividade e sair do lugar-comum. Saladas e legumes são excelentes opções, mas a variedade e formas de apresentação dos pratos fazem toda a diferença. Confira algumas sugestões:

  • espaguete de abobrinha ou abóbora, cortando em um ralador apropriado, coberto por molho de tomates marinados em temperos, juntando frutas, como manga ou abacaxi, ou mesmo usando ingredientes como tomate cereja, pimentões, cebolas e alho, em pequenos pedaços, com azeite prensado a frio;

  • o abacate, batido com temperos e azeite, se transforma em uma maionese saborosa, acompanhando saladas ou lanches;

  • é possível moldar almôndegas com nozes e amêndoas demolhadas, couve-flor e temperos como salsa, cebolinha, sal e pimenta. O prato pode ser coberto com tomates maduros, batidos no liquidificador com tâmaras, azeite, alho e temperos de sua preferência.

Como você percebeu, a alimentação crudívora está longe de ser sem sabor ou criatividade. É possível ter saúde e disposição utilizando alimentos naturais e preparos diferenciados, que agradam ao paladar. De quebra, você adota posturas mais sustentáveis, preservando o meio ambiente e os recursos naturais!

Lembre-se também de ingerir muita água, adotar hábitos saudáveis e preferir, sempre que possível, produtos orgânicos. Sua saúde agradece! Para receber mais conteúdos como este, com dicas sobre ações sustentáveis e condutas integradas à natureza, assine a nossa newsletter!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This