Alimentação inclusiva: por que devemos pensar nisso?

Oi, galera! No post de hoje vamos falar sobre um conceito bem relevante para quem tem alergias ou restrições alimentares: a alimentação inclusiva. Nós vamos explicar o que é e por que é importante e abordar alguns dos principais tipos de alergias e restrições que acabam sendo beneficiados por essa forma de alimentação.

Continue acompanhando o texto e saiba mais!

O que é alimentação inclusiva?

Comer é algo que vai muito além da nutrição. A comida está ligada a sensações, experiências e memórias. Boa parte das nossas celebrações envolvem comida. É o caso de aniversários, confraternizações e festas de final de ano.

Quando alguém é privado da comida nesses momentos, também perde a chance de vivenciar a situação na sua totalidade. É nesse cenário que surge o que chamamos de alimentação inclusiva.

A alimentação inclusiva, ou inclusão alimentar, nada mais é do que um conjunto de práticas e ideias que pretendem incluir e integrar as pessoas com restrições alimentares em todos os níveis da sociedade, em qualquer ambiente.

Por que a alimentação inclusiva é importante e como aplicar o conceito na prática?

Seja por escolha, seja por doença, conviver com uma restrição alimentar é um processo que apresenta desafios. Não é fácil lidar com a desinformação e o preconceito de uma sociedade que, muitas vezes, não está preparada para aceitar certa condição.

Por isso, apostar em alimentação inclusiva é importante. Afinal, ninguém merece se sentir excluído apenas porque não pode comer determinado alimento, concorda? É papel de todos, enquanto comunidade, trabalhar para que todo ser humano possa se sentir incluído.

Como fazer isso? Existem algumas boas práticas que podem contribuir significativamente para essa alimentação mais consciente. Confira a seguir!

Esteja atento às restrições dos seus convidados

Se você está organizando algum evento, é sempre importante perguntar aos convidados quais são seus hábitos ou restrições alimentares. Não tenha vergonha! Convidar alguém e não oferecer nada para comer é muito mais constrangedor.

Caso alguém apresente alguma restrição, se informe a respeito. Lembre-se de que cada situação é particular. Veganos são diferentes de vegetarianos, por exemplo. E alergias também devem ser tratadas com todo cuidado, já que traços e contaminação cruzada podem causar problemas.

Leia com atenção os rótulos dos alimentos

A nossa segunda dica é ler com atenção os rótulos dos alimentos. Já pensou que problemão seria receber algum convidado e servir para ele algo que pode causar alergia?

Como já falamos acima, alergias mais severas podem ser ativadas, até mesmo, por pequenos traços ou contaminação cruzada. Caso você não saiba muito sobre uma situação específica, é válido também guardar o rótulo do alimento para que o convidado se certifique da composição antes de comer.

Quais são as principais restrições e alergias alimentares?

O conceito de alimentação inclusiva existe devido às restrições e alergias que alguns grupos possuem. Algumas delas, inclusive, são bastante comuns, como as que vamos apresentar a seguir!

Intolerância ao glúten

A doença celíaca, popularmente conhecida como intolerância ao glúten, é causada pela dificuldade do organismo em digerir o glúten, uma proteína presente no trigo, no centeio e na cevada.

Pessoas com esse problema não podem consumir nada que tenha a proteína em sua composição. Dependendo do nível da alergia, o seu consumo pode causar desde inchaço e desconforto abdominal até enxaquecas, coceiras na pele, dores musculares e vômito.

Intolerância à lactose

A intolerância à lactose é a incapacidade do organismo de digerir essa enzima, encontrada no leite e em outros produtos lácteos, como queijos e iogurtes.

Existem diversos graus para esse problema, podendo ser mais inicial ou severo. O consumo de lactose para quem possui intolerância causa diarreia, náusea, vômitos, inchaço e dor abdominal e pode contribuir para um agravamento do quadro.

Veganismo

O veganismo é uma filosofia de vida que exclui, na medida do possível e praticável, o consumo de qualquer produto que envolva exploração animal. Na alimentação, exclui-se carne, leite, ovos, mel e outros derivados.

Agora que você aprendeu mais sobre as restrições alimentares, percebe que não é tão difícil assim praticar a alimentação inclusiva, certo? Basta ter informação, respeito e empatia pelas condições ou escolhas das outras pessoas.

Compartilhe este texto em suas redes sociais e faça sua parte por um mundo mais inclusivo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This