Comunicação não violenta: como é possível praticá-la com eficiência?

Comunicação não violenta: como é possível praticá-la com eficiência?

Respeito pelos sentimentos e atitudes de seu interlocutor, empatia e ausência de julgamentos: esses são os princípios básicos da comunicação não violenta, uma forma de se expressar sem agredir outras pessoas, aceitando e entendendo o seu estilo de vida e as suas crenças.

O conceito foi desenvolvido pelo psicólogo Marshall Rosenberg, que considera que as habilidades na linguagem e na comunicação são essenciais para interagir melhor com outros indivíduos, além de promover mudanças ao seu redor. A comunicação não violenta é capaz de transformar relacionamentos sociais e profissionais, criando ambientes colaborativos.

Quer saber mais sobre esse tema e descobrir como colocar a comunicação não violenta em prática no seu dia a dia? Acompanhe nosso post!

Entenda melhor o conceito de comunicação não violenta

A comunicação é essencial em todas as áreas da vida e em qualquer ambiente. Nós fazemos isso o tempo todo, mesmo sem perceber. Muitas vezes, um sorriso ou mesmo um semblante fechado substituem palavras e comunicam ao interlocutor nossas impressões e sentimentos. 

É possível evitar boa parte dos conflitos nos relacionamentos com o desenvolvimento de algumas habilidades de comunicação. O tom de voz adequado, a escolha das palavras certas e a ausência de julgamentos fazem toda a diferença na hora em que precisamos transmitir uma mensagem. 

É esse o conceito estabelecido por Marshall Rosenberg, autor de vários livros que abordam a comunicação não violenta e maneiras de se expressar para evitar conflitos. Segundo ele, desenvolver habilidades de linguagem e comunicação é uma atitude fundamental para melhorar os relacionamentos. 

Para o autor, as pessoas tendem a se comportar da mesma forma que seus interlocutores. Assim, ao receberem uma resposta agressiva, podem retribuir com violência, verbal ou mesmo física. Da mesma maneira, se sentirem que existe empatia, a tendência é de que deixem a postura de defesa de lado e ajam de maneira mais gentil. 

Ter ciência disso é fundamental para melhorar seus relacionamentos, até mesmo no ambiente virtual. Nas redes sociais, são comuns comentários agressivos, feitos por indivíduos conhecidos como haters. Quem alimenta esse tipo de posicionamento acaba por se desgastar, se envolver em discussões desnecessárias e até mesmo desfazer amizades.

É importante entender que a agressão verbal, escrita ou falada, também é uma forma de violência. Bullying, racismo, homofobia e qualquer outro tipo de preconceito ou constrangimento são formas de agredir as pessoas, e esses comportamentos precisam ser evitados e combatidos.

Saiba como colocar a comunicação não violenta em prática

Agora que você já entendeu o que é comunicação não violenta, confira algumas dicas para colocar esse conceito em prática na sua vida! Lembre-se de que não há problemas em expor suas opiniões, desde que exista respeito aos pensamentos diferentes e acolhimento às pessoas.

Observe quem é seu interlocutor

Evite julgamentos. Cada pessoa tem sua própria história, suas opiniões e razões. Ou seja, mesmo que você discorde do pensamento dela, procure entender o que a leva a acreditar em determinados fatos e a agir de acordo com suas crenças. 

É possível emitir suas opiniões e argumentar, sem ofender ou diminuir quem não concorda. Para isso, escolha as palavras certas! 

Exponha seus sentimentos

Não retribua um comportamento agressivo da mesma maneira. Ao invés disso, explique a razão do seu aborrecimento e exponha os seus sentimentos. Essa atitude desarmada vai gerar maior empatia e entendimento. 

Ouça com atenção

Saber escutar o que as pessoas querem transmitir ajuda a compreender suas razões e gera uma conexão maior, que facilita o relacionamento. Não julgue antes de entender a motivação de cada indivíduo. 

Desenvolva habilidades de linguagem

Existem várias formas de expressar um mesmo sentimento. Quer ver alguns exemplos? Confira:

  • alguém que você estava aguardando se atrasou para o encontro. Não reclame, procure apenas questionar o motivo da demora. Tenha mais empatia, pois é possível que a pessoa tenha enfrentado algum problema ou dificuldade;

  • seu companheiro ou colega com quem divide a moradia tem o hábito deixar objetos fora do lugar, e você não tolera isso. Em vez de acusar a pessoa pela desordem, exponha seu sentimento de desagrado e peça ajuda. Uma sugestão seria dizer algo como: “Você poderia colaborar com a arrumação? Acho que o ambiente ficaria muito melhor com cada coisa em seu lugar”;

  • não rotule ou compare as pessoas. Seus colegas de trabalho ou faculdade, por exemplo, não se sentirão mais motivados para melhorarem o desempenho sendo comparados com outras pessoas. Procure estimulá-los a desenvolverem suas capacidades e sempre elogie suas habilidades;

  • procure utilizar expressões positivas. Substitua um “não faça isso” por “faça de outra maneira”.

Promova a empatia

Se você seguir nossas dicas, logo perceberá uma mudança importante em seus relacionamentos. As pessoas ao seu redor passarão a agir de forma mais equilibrada, com maior respeito e tolerância. Isso vale também para sua postura online. Confira algumas sugestões para espalhar essa ideia:

  • respeite e não invalide as opiniões distintas da sua;

  • nunca responda uma agressão com outra;

  • proponha a reflexão sobre pontos de vista diferentes;

  • evite qualquer tipo de comentário que possa causar desconforto ou constrangimento;

  • não ria ou espalhe piadas que estimulem preconceitos ou diminuam pessoas;

  • espalhe notícias positivas;

  • não tente convencer as pessoas a concordarem com você. Reconheça que cada indivíduo tem sua história e suas dores e, em função disso, tem um pensamento diferente. 

Reconheça a responsabilidade por seus sentimentos

Você se magoou em função do comportamento de outra pessoa? Reconheça que seu sentimento não é responsabilidade dela. Assim, em vez de acusá-la por isso, mostre como se sente. No exemplo que citamos acima, de alguém que se atrasou ao compromisso, apenas diga que se chateou por esperar, mas não responsabilize a pessoa pelo seu sentimento.

Em várias outras situações isso pode acontecer. É possível se decepcionar e se aborrecer com diversos comportamentos diferentes, mas lembre-se de que esse é o seu sentimento. Seu interlocutor não precisa ser agredido por isso. Trate-o com empatia!

Da mesma maneira, não se sinta responsável pelo sentimento de outras pessoas. Exponha suas razões, sempre de maneira educada, sem alterar o tom de voz. O respeito às diferenças é uma das premissas básicas da comunicação não violenta. Usar essa habilidade para resolução de conflitos é uma maneira importante de promover a transformação social e conquistar uma vida mais leve!

Você tem colocado em prática esse conceito? Então, divida conosco quais são suas formas de interagir com as diferenças e como isso proporciona um mundo melhor e com maior respeito!
 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This