Descubra o que é a moda vegana e por que investir nela

Descubra o que é a moda vegana e por que investir nela

Poluição, trabalho escravo ou mal remunerado, exploração de animais, incentivo ao consumo excessivo — a indústria da moda, no geral, não é das mais sustentáveis e eticamente corretas, certo? Mas existem, sim, algumas alternativas a esse modelo. Você já ouviu falar, por exemplo, em moda vegana? Sabe qual é a relação dela com o veganismo?

Se moda, para você, é uma forma de expressão da sua personalidade e das suas preferências, mas, ao mesmo tempo, é também um modo de comunicar ao mundo sua consciência social e ambiental, este texto é para você! Confira um panorama do impacto negativo causado pela indústria da moda, bem como os princípios e benefícios da moda vegana, essa alternativa incrível. 

Os princípios da moda vegana

Aderir à moda vegana é, basicamente, usar apenas roupas, calçados e acessórios que não empregam qualquer forma de exploração animal — seja por meio de testes, seja pelo uso de matéria-prima de origem animal, por exemplo — em seu processo de fabricação. Essa, por sinal, é uma das facetas do veganismo, uma ideologia que abrange outras esferas de comportamento.

A moda vegana parte do princípio da proteção aos direitos dos animais, mas acaba trazendo outras discussões igualmente importantes. Afinal, querer saber qual é a origem dos produtos que você compra é o primeiro passo para consumir de modo mais consciente, o que também implica saber que tipo de mão de obra foi utilizada e quais impactos à natureza foram causados durante a fabricação daquele produto.

Os impactos da indústria da moda

A indústria da moda é a segunda maior poluidora do mundo, ficando atrás apenas da indústria de petróleo e gás. O uso de matérias-primas de origem animal, a produção extensiva de algodão e o uso e descarte em larga escala de insumos derivados do petróleo provocam impactos avassaladores na natureza.

Porém, um fenômeno decisivo para que a moda se tornasse uma ameaça maior ao meio ambiente foi o surgimento do fast fashion, que nada mais é do que a produção acelerada, em massa, de roupas por grandes redes varejistas. 

E como se não bastassem os impactos ambientais, essa indústria também é conhecida por empregar mão de obra barata ou até mesmo escrava. Esses trabalhadores são submetidos a condições desumanas e insalubres, recebem salários insuficientes para atender às suas mínimas necessidades de subsistência e têm jornadas de trabalho exaustivas. 

A moda vegana atua na contramão dessa triste realidade. Por alimentar preocupações sociais e ambientais, além de defender a causa animal, muitas empresas de moda vegana privilegiam a fabricação artesanal, em quantidades limitadas, de produtos com estilo atemporal — o contrário da proposta do fast fashion. Além disso, elas prezam pelo respeito aos trabalhadores, oferecendo a eles condições mais justas e humanas.

O mercado vegano

Ao aderir à moda vegana, usamos nosso poder de consumo de uma maneira diferente e positiva, indo na contramão da exploração dos animais, do meio ambiente e dos trabalhadores. Conhecer a origem do que consumimos e não usar produtos que são frutos dessa exploração é uma maneira importante — e relativamente simples — de colaborar para as mudanças na indústria da moda e no mundo.

Afinal, quanto mais gente consumir roupas, calçados e acessórios veganos, mais pesquisadores e empresas buscarão desenvolver outras formas de fabricar os produtos, que terão cada vez mais qualidade e serão cada vez mais acessíveis. Na verdade, isso já está acontecendo: hoje, já é possível encontrar substitutos sintéticos que são tão ou mais bonitos e duráveis quanto os de origem animal.

É importante observar, no entanto, que nem toda roupa feita sem uso de insumos de origem animal é sustentável. Para garantir que a moda vegana seja de fato mais benéfica para o meio ambiente, é importante privilegiar o uso de materiais como linho, cortiça, algodão orgânico e refugos da indústria têxtil, cujo impacto na natureza é consideravelmente menor.

O veganismo em números

Entre janeiro de 2012 e julho de 2016, as buscas na internet pela palavra “vegano” cresceram 1.000% no Brasil. Além disso, cerca de 2 mil pessoas se tornam vegetarianas todos os dias no país. De acordo com o Ibope, em 2012, 8% da população brasileira se declarava vegetariana, o que equivale a 16 milhões de pessoas.

Estima-se que há 5 milhões de pessoas que se declaram veganas no país, e, considerando que suas decisões de consumo são influenciadas pelo veganismo, essa é uma parcela considerável que pode ser atendida por marcas que compartilham dessa mesma filosofia.

Entre junho de 2017 e julho de 2018, o Brasil foi o sexto país que mais lançou produtos veganos no mercado. São cosméticos, roupas, acessórios, produtos alimentícios e outros itens fabricados de acordo com preceitos como o respeito aos animais, a não exploração de mão de obra barata e o uso de métodos produtivos que não destruam o meio ambiente.

Os benefícios da moda vegana

Bem-estar dos animais

Como já vimos, a principal razão para que o uso de materiais veganos na indústria da moda seja uma alternativa melhor é a questão dos direitos e bem-estar dos animais. Vivemos em um mundo que ainda usa animais em testes de cosméticos, produtos de limpeza e outros itens industrializados, e algumas marcas ainda utilizam peles de animais em suas peças.

Com as redes sociais, ativistas da causa animal alcançam cada vez mais pessoas com a mensagem de que é preciso banir o uso de qualquer tipo de produto ou subproduto de origem animal na moda e em outras indústrias. Isso obrigou marcas que antes não tinham essa preocupação a buscar alternativas veganas para suas criações.

Materiais de qualidade

Se, até bem pouco tempo, matérias-primas veganas como o couro vegetal eram vistas com maus olhos, hoje temos uma enorme variedade de insumos melhores não apenas na qualidade, mas também na aparência. Para a indústria da moda, isso é determinante para que as marcas substituam materiais de origem animal por alternativas veganas sem afetar as vendas e a aparência dos produtos.

Variedade de matérias-primas

À medida que a indústria da moda e as tecnologias que ela emprega se desenvolvem, aumenta o espaço para alternativas veganas. Além do algodão orgânico, outros materiais, como algas marinhas, cânhamo e soja estão sendo cada vez mais utilizados na fabricação de roupas, sapatos e acessórios. 

Entre outras opções, a indústria conta com matérias-primas como o bom e velho linho, PET reciclado, EVA, viscose e microfibra, além do já mencionado couro vegetal.

Durabilidade dos materiais

Ainda há quem acredite que materiais veganos não têm a mesma durabilidade que seus equivalentes de origem animal. No entanto, isso é um equívoco. Com o desenvolvimento de novas tecnologias têxteis, as matérias-primas veganas se tornaram mais resistentes e duradouras, podendo ser aplicadas a uma gama variada de produtos, desde roupas mais delicadas a botas para trilhas. 

Caminho para o futuro

Como se não bastassem todas essas características superpositivas, a moda vegana tem outro grande benefício: ela atende aos anseios de pessoas preocupadas com os animais e o meio ambiente e aponta para um futuro menos sombrio. Considerando todas as mudanças climáticas pelas quais o planeta tem passado, saber que é possível criar produtos que respeitam as pessoas, os animais e o meio ambiente é alentador.

A moda consciente

Quando consumimos algo, é importante pensar sobre o que e quem está envolvido na fabricação daquele produto. Na moda vegana, a preocupação não é apenas com o estilo ou a aparência de uma peça. Quando paramos para pensar nas pessoas que fabricaram um item ou nos animais que foram sacrificados ou explorados para que ele fosse produzido, nossa perspectiva sobre o consumo se transforma. 

A moda vegana nos mostra que podemos sair de um modelo de consumismo desenfreado e retomar hábitos de outras gerações, que consumiam menos e cuidavam melhor de seus guarda-roupas. É possível amar nossas roupas e sapatos e tratá-los com o respeito que as mãos que os fabricaram merecem.

Hoje, existe uma abundância de informações sobre os bastidores sombrios da indústria da moda. Quando temos a dimensão da crueldade envolvida na exploração animal e no uso de mão de obra barata, fica mais difícil justificar decisões de consumo impensadas. É claro que há um longo caminho para se chegar a uma indústria de moda totalmente vegana, mas já temos as ferramentas necessárias para dar passos significativos nessa direção. 

A moda vegana nos ajuda a desenvolver um olhar compassivo sobre o mundo e entender nossa responsabilidade em sua preservação. Comprar roupas, sapatos e acessórios veganos é um ato de amor ao meio ambiente, aos animais e às pessoas. É uma forma de demonstrarmos nossa preocupação e nossa intenção de contribuir para um mundo com mais equilíbrio e justiça.

O consumo ético

Existem vários caminhos para um consumo mais ético. Os bazares de trocas de roupas e acessórios estão cada vez mais comuns, assim como os brechós e o “upcycling”, que é a reciclagem de um produto para transformá-lo em outro com nível de qualidade superior ao original. 

Sempre vamos precisar consumir moda, mas podemos fazer isso com uma mentalidade mais voltada para a preservação social e ambiental. Teremos cada vez mais opções de qualidade e, com isso, poderemos tomar decisões que respeitam o bem-estar animal, geram menos impacto ao meio ambiente e preservam a dignidade humana. Pode acreditar: a moda vegana é o futuro do consumo. 

A Urban Flowers é uma marca que respeita os animais, a natureza e as pessoas. Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail dicas de moda ética e vegana.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This