Empoderamento da mulher: como fazer parte desse processo

Oi, pessoal! Com certeza você já ouviu falar em empoderamento da mulher, não é? Em meio a tantos movimentos que têm surgido para denunciar o assédio sexual, as condições de desigualdade salarial entre gêneros e inúmeras outras manifestações do machismo em nosso dia a dia, esse conceito está muito em voga. 

Mas você sabe o que realmente significa o empoderamento feminino, de que forma ele se manifesta na prática e qual a importância desse debate? Se você ainda não sabe, ou quer saber ainda mais, continue acompanhando o texto para entender melhor o assunto.

O que é e o que representa o empoderamento da mulher

Embora possa existir confusão entre os conceitos, empoderamento feminino não é a mesma coisa que feminismo, apesar de as duas coisas estarem diretamente relacionadas. Se o movimento feminista prega basicamente a igualdade entre os gêneros, o empoderamento da mulher é uma das práticas desse grupo.

Considerando que empoderar é “tomar poder”, o empoderamento feminino, neste contexto, trata da consciência coletiva das mulheres de que elas podem e devem ter poder sobre suas vidas, seja no aspecto sexual, social, profissional, econômico e político.

Então, o conceito reverbera diretamente na prática. Para obter esse resultado, os grupos feministas precisam desenvolver uma série de ações que visam fortalecer a mulher e alcançar a equidade entre os gêneros, promovendo o fim da violência, a promoção de mulheres a cargos de liderança e a igualdade de oportunidades de acesso à educação, por exemplo.

Como é o empoderamento feminino na prática

Agora que você já entendeu o conceito, chegou o momento de saber, na prática, como o empoderamento da mulher acontece. Para ilustrar, citaremos 3 movimentos que tomaram conta da mídia nos últimos anos!

#MeToo

Apesar de ser um grande exemplo desse processo, o movimento Me Too surgiu de uma série de relatos de mulheres assediadas e abusadas sexualmente na indústria do entretenimento em Hollywood. Depois das inúmeras denúncias, muitas mulheres tomaram coragem e passaram a tuitar a hashtag #MeToo, que significa “Eu também”.

O movimento saiu das redes sociais para tomar os tapetes vermelhos das grandes premiações do cinema e da televisão, com o nome e o mote de Time’s Up, já que muitas atrizes e produtoras estavam engajadas na causa. Depois, foi questão de tempo para que o movimento tomasse as ruas e as vozes que o representam (The silence breakers) fossem eleitas “Personalidade do ano de 2017” pela revista Time.

O Me Too ganhou a sua versão brasileira após denúncias contra o ator José Mayer. Por aqui, o movimento ficou conhecido como #MexeuComUmaMexeuComTodas. Em ambos os casos, o objetivo e o recado eram muito simples: mostrar que as mulheres não aceitarão mais caladas esse tipo de abuso.

Igualdade salarial

Outro grande problema que impacta a vida das mulheres é a desigualdade salarial. No Brasil, por exemplo, homens ganham mais do que mulheres em todos os cargos, conforme pesquisa da Catho. Nos casos mais graves, essa diferença chega a ser mais de 62%.

Então, uma forma importante de lutar pelo empoderamento da mulher é defendendo a igualdade salarial por meio de iniciativas das próprias empresas ou do governo, como ocorreu recentemente na Islândia. Por lá, a equiparação dos salários virou lei.

Por isso, hoje também existem inúmeros movimentos que lutam por essa pauta, como é o caso da Coalizão Internacional pela Igualdade Salarial, uma iniciativa da ONU.

A importância de empoderar as mulheres

Se queremos um mundo mais igual e mais justo, uma das formas de chegar lá é empoderando as mulheres. Afinal, esse processo sai do discurso para ter reflexos na prática cotidiana.

Portanto, é necessário criar iniciativas que promovam o empoderamento feminino em relação aos salários, ao fim da violência doméstica e sexual, ao acesso à educação e à igualdade de oportunidades. Já passou da hora de promovermos essas pautas. Afinal, o mundo nunca será igualitário se for justo apenas para alguns.

É por isso que, além do empoderamento da mulher, precisamos estar atentos também a outras questões, como o fim da exploração dos animais. Quer saber mais sobre o assunto? Confira outro texto do nosso blog e descubra porque feminismo e veganismo têm tudo a ver!

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This