Quer começar a comprar a granel? Confira 4 dicas indispensáveis

Comprar a granel: Confira 4 dicas indispensáveis para começar a comprar!

Você já parou para pensar na quantidade de embalagens que são descartadas em sua casa? Embora possam ser reutilizados, os recipientes plásticos ou mesmo fabricados em outros materiais são resíduos sólidos que, se não forem encaminhados para reciclagem, contribuem para a sobrecarga dos aterros sanitários. Para reduzir esse problema, que tal começar a comprar a granel?

Existem diversos itens que podem ser encontrados nessa modalidade. Os mais comuns são grãos, cereais e farináceos, mas as possibilidades são várias. É possível adquirir desde opções de ração para seu pet até produtos de higiene e limpeza. 

Quer saber mais sobre isso e descobrir como comprar a granel com segurança? Então, confira as nossas dicas!

Entenda o problema das embalagens

Cada vez que você compra um produto, ele vem armazenado em um determinado tipo de embalagem. São garrafas pet, potes de vidro, recipientes ou sacos plásticos e latas. Embora todos esses materiais sejam recicláveis, nem sempre eles têm a destinação correta e acabam indo parar em aterros sanitários comuns, contribuindo para sua sobrecarga e gerando mais poluição. 

Além disso, o próprio processo de reciclagem não é 100% limpo, pois a coleta (com caminhões) e o processamento desse lixo também geram impactos — para você ter ideia, exceto pelo do vidro, todo processo de reciclagem gera perda de qualidade e de material em relação àquilo que foi recolhido.

Isso sem contar outras questões, como o caso de embalagens descartadas nas calçadas, que acabam atingindo rios e águas públicas em função das chuvas. O descarte irresponsável, aliado à falta de serviços adequados de coleta, representa um grande problema urbano.  

No litoral brasileiro, por exemplo, os resíduos plásticos constituem a maior parte do lixo marinho. Nas cidades, a condição dos rios não é diferente. No Tietê, que passa pelo município de São Paulo e algumas cidades do interior do estado, os resíduos afetam de forma significativa a vida das populações ribeirinhas.

É claro que as embalagens podem ser reaproveitadas em sua própria residência. Quem nunca as utilizou para artesanato, para acondicionar outros produtos ou mesmo fez a destinação correta, para cooperativas de catadores ou para a indústria de reciclagem? Vale lembrar que esses resíduos podem ser transformados em insumos importantes para a indústria, quando corretamente encaminhados.

O grande problema, no entanto, é a carência de serviços organizados de coleta seletiva, aliada à grande quantidade de embalagens que produzimos todos os dias. São alimentos, produtos de higiene e limpeza, itens de escritório e uma infinidade de mercadorias acondicionadas em embalagens que se transformam em resíduos. 

Como explicamos, esses materiais se acumulam em aterros sanitários, quando não atingem rios, mares e águas públicas. Enquanto outros resíduos orgânicos se decompõem, as embalagens contribuem para o aumento da contaminação ambiental. Para minimizar o problema, a Política Nacional de Resíduos Sólidos estabeleceu algumas diretrizes:

  • responsabilidade compartilhada do gerador (no caso, o consumidor) e do produtor (a empresa que embalou o produto) pelo descarte. Já existem iniciativas para que os produtores façam a logística reversa de resíduos, como no caso das embalagens de óleo lubrificante automotivo, potencialmente poluentes;

  • além disso, a lei estabelece a redução, reutilização, reciclagem e tratamento adequado dos rejeitos sólidos.

Prefira comprar a granel

Agora que você já entendeu o grande problema ambiental causado pelas embalagens, vale a pena considerar a aquisição de alguns itens no formato a granel. Dessa forma, não são gerados resíduos para descarte, o que torna suas compras mais sustentáveis, sem desperdícios. Além disso, os preços dos produtos comercializados dessa maneira costumam ser muito mais convidativos.

Confira nossas dicas para fazer isso de forma sustentável!

1. Saiba quais produtos comprar a granel

Nos principais varejos do país, existe uma grande quantidade de itens que podem ser adquiridos nesse formato. Você pode conferir nas gôndolas de supermercados e mercearias:

  • produtos de limpeza com embalagens para refil;

  • itens de higiene pessoal, como xampus, sabonetes e cremes;

  • arroz, feijão, lentilha, amendoim, grão-de-bico e outros grãos diversos;

  • nozes e castanhas;

  • farinhas de diversos tipos;

  • leguminosas e conservas;

  • temperos e especiarias;

  • achocolatados;

  • rações e outros alimentos para animais;

  • frutas, verduras e legumes, disponíveis em feiras livres e supermercados. 

2. Confira alguns cuidados ao comprar produtos a granel

Normalmente, a grande vantagem de comprar um item já embalado é a segurança alimentar e o prazo de validade. Em princípio, a embalagem apropriada protege o produto contra contaminações ou deterioração.

No entanto, também é possível comprar mercadorias frescas com a mesma qualidade, com melhor preço e sem desperdícios, já que você adquire a quantidade exata para seu consumo. Para tanto, basta observar alguns cuidados:

  • sempre confira o prazo de validade, seja de itens alimentícios ou não. Lembre-se de que a maior parte dos produtos tem um prazo de vencimento;

  • observe, nos pontos de venda, se os produtos são frescos, se estão bem acondicionados e tampados e se não existem insetos próximos. Esse cuidado é ainda mais importante no caso de farinhas, sementes e oleaginosas, já que, muitas vezes, a contaminação não é perceptível a olho nu;

  • nas casas de ração e pet shops, atenção ao comprar produtos a granel. Muitas vezes, o alimento fica exposto durante muito tempo e, com isso, perde o sabor, levando o animal a recusá-lo. Isso, sem contar o risco de contaminação ou umidade, que altera as características do produto. Assim, verifique se estão tampados e sua validade;

  • ao comprar em feiras livres e mercados municipais, que geralmente oferecem uma grande diversidade de produtos a granel, confira sempre a procedência e a qualidade. Prefira frutas da estação e, se possível, de produtores locais.

3. Valorize produtores locais

Essa é uma das melhores maneiras de estimular a economia do seu bairro e município. Sempre que possível, prefira consumir produtos fabricados ou cultivados em sua região. Além de mais frescos, certamente demandaram menor quantidade de embalagens e menor distância para o transporte. Ou seja, podem ir diretamente da horta (ou do artesão) para sua casa!

4. Use o bom senso em suas compras

Essa dica parece óbvia, mas muitas pessoas exageram ao ir à feira. Assim, compre apenas a quantidade necessária para o seu consumo. Se a oferta for muito boa, confira o vencimento do produto ou a possibilidade de congelamento (para itens alimentícios). Lembre-se de que não há vantagem em aproveitar uma promoção, se o item não será consumido ou utilizado dentro de sua validade.

Além disso, ao comprar a granel, procure sempre levar suas próprias embalagens, como sacolas retornáveis. Na impossibilidade disso, sempre que possível, opte por embalagens em papel ou em outros materiais que possam ser reutilizados em sua residência.

O consumo consciente é uma atitude fundamental para minimizar os danos ao meio ambiente e à saúde humana. Aliás, você já ouviu falar em slow food?

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This