Vamos juntas: entenda o que é a sororidade feminina

Sororidade feminina: entenda enfim o que significa

Você já ouviu falar em sororidade feminina? Esse conceito tem uma origem dupla. Ele vem do latim “sóror”, que significa “irmãs”, e do inglês “sorority”. O termo norte-americano tem a ver com os grupos de estudantes femininas que moram juntas, em uma república, durante a faculdade. Com a evolução da sociedade, logo se transformou em algo ligado ao feminismo.

Segundo o dicionário, a palavra consiste em uma “relação de união, de afeição ou de amizade entre as mulheres”. Ela representa a conexão profunda entre mulheres e, principalmente, a luta unida contra o patriarcado e suas visões limitantes.

Agora que você já conhece o termo, que tal aprender como aplicá-lo? Veja dicas para incluir mais sororidade em sua vida!

Pratique a empatia para ter sororidade feminina

Um dos passos importantes rumo a essa característica é a capacidade de se colocar no lugar de outra mulher. Entender que a sua realidade não é a única possível é a melhor forma de compreender que todas passam por obstáculos impostos pela sociedade.

Perceba que há desigualdades sociais, raciais, físicas, de orientação sexual, religiosas e assim por diante. Sabe como isso se chama? Feminismo interseccional, pois considera várias realidades.

Uma mulher com deficiência, por exemplo, encara dificuldades que uma com todas as funções motoras não tem. Ao mesmo tempo, uma mulher negra tem uma experiência na sociedade diferente de uma branca, assim como uma heterossexual tem uma vida distinta de uma lésbica ou bissexual.

Antes de julgá-las ou querer que elas ajam de certo modo, entenda que todos esses fatores interferem no jeito como cada uma se comporta no dia a dia. Tenha uma visão empática e olhe além do seu horizonte para compreender outras realidades.

Fuja da competição ou rivalidade feminina

Preste atenção ao seu redor. Veja como as mulheres se tratam e até como são representadas na mídia, nos filmes e nos desenhos. Na maioria das vezes, existe a ideia de “nós contra elas”, de “rivais” e “inimigas”. A socialização feminina é baseada no combate, na rivalidade e na disputa por atenção e afeto — normalmente, por parte dos homens.

É como se dissessem que as mulheres não são capazes de formar laços de fidelidade e fraternidade, como os homens são ensinados. Isso não é verdade, então é preciso romper com esse comportamento.

Que tal começar a driblar a rivalidade feminina e a excluí-la do seu cotidiano? Em vez de ofender uma para exaltar outra, pense que ambas têm qualidades e pontos para valorizar. No lugar de competir com uma mulher, por que não se unir a ela para encarar os desafios?

Ao romper essa lógica de que mulheres são, naturalmente, inimigas, é possível criar uma força poderosa de transformação e de suporte na sociedade. Há espaço suficiente para que todas brilhem!

Empodere e apoie outras mulheres

Um dos atos mais importantes que você pode fazer por outras mulheres é ensiná-las a praticar o empoderamento. Essa mudança de atitude gera impactos positivos nas diversas áreas das pessoas e promete criar transformações verdadeiras.

Compartilhe o que aprendeu e mostre para mulheres que você conhece como elas são fortes e capazes. Incentive, apoie e dê oportunidade a elas, sempre que for possível.

Quer um exemplo? Se tiver uma amiga que está em um relacionamento abusivo, não julgue nem dê um ultimato. Em vez disso, aproveite sua proximidade para mostrar como ela merece mais e o que ela pode fazer para sair da situação. Desse jeito, os resultados são bem melhores.

Mesmo mudanças de estilo de vida podem ter o seu apoio. Ajude as mulheres a fazerem escolhas conscientes e mostre como o veganismo pode auxiliá-las, por exemplo. Compartilhe experiências e trajetórias e ajude-as a construírem seus próprios caminhos.

Não reproduza comportamentos e falas patriarcais

A sororidade feminina não prega que mulheres devem ser perfeitas e que precisam amar a todas, sem exceção. Qualquer uma tem vontades, impressões e sentimentos que devem ser respeitados, inclusive sobre as outras. Então, a sororidade não representa amar de forma incondicional e, sim, não odiar alguém apenas por ser mulher. O melhor jeito de fazer isso é evitar os comportamentos e as falas que são limitantes e típicas do patriarcado.

Você pode fazer melhor que julgar uma que se envolveu com um homem casado ou que foi vítima de um relacionamento abusivo. Também não precisa criticar uma que não tem os mesmos princípios ou estilo de vida que o seu.

Se uma mulher cometer um erro ou fizer algo inadequado, você não tem de relevar a falha ou desvio. Porém, é importante deixar de usar xingamentos machistas ou sexismo para atribuir tal comportamento a ela, certo?

Procure trabalhar a consciência de classe

A consciência de classe é um termo abrangente e que tem a ver com a percepção do lugar que ocupamos na sociedade e em determinada situação. Para praticar a sororidade feminina é essencial desenvolver esse autoconhecimento sobre a sua posição.

O motivo é simples: todas as mulheres são afetadas pelo machismo e pela sociedade patriarcal que motiva a misoginia. Ao se compreender como parte do contexto, dá para entender que há muitas questões urgentes e que o apoio é fundamental. Por isso, faz sentido ter as mulheres como aliadas em vez de inimigas.

Saiba que juntas todas são mais fortes e que a união é um dos componentes para encarar e vencer as dificuldades impostas para as pessoas do sexo feminino. Quanto maior for a percepção, mais fácil é se livrar das amarras e das correntes em sua vida. Incrível, não é?

Dê voz a quem não tem

Levantar outras mulheres e levá-las com o seu desenvolvimento é essencial para aproveitar a sororidade feminina ao máximo. Nesse sentido, a ideia é poder dar voz àquelas que não conseguem ser ouvidas.

Isso não significa roubar protagonismo ou o lugar de fala, mas dar o apoio necessário para que possam se posicionar. Se vir uma mulher em uma situação perigosa ou na qual não gostaria de estar, aja! Desde que faça tudo com segurança, tente intervir e defender quem, por algum motivo, não consegue.

Não aceite a discriminação, o racismo, a homofobia ou a segregação. Conscientize outras pessoas ao seu redor e mostre como é importante essa união.

A sororidade feminina trata de uma união poderosa entre mulheres em busca de uma vida melhor para todas. Ao colocar essas dicas em prática, você vai conseguir se conectar do jeito certo e aproveitar os pontos positivos!

E já que estamos falando sobre mudanças de percepção e mentalidade, veja como criar gatilhos mentais positivos em sua vida!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Fechar Menu
Share This